Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Bastidores’

A partir de 2011, este blog não terá mais atualizações. Seus objetivos já foram todos alcançados: criar mais um canal de comunicação com leitores e fontes do Quatro; ampliar a experiência da leitura do jornal; e documentar as experiências dos alunos e os bastidores de produção das edições.

Embora não tenhamos mais novos conteúdos por aqui, manteremos o blog como um registro de nossos trabalhos e ações. Por isso, reforçamos o convite de navegar nos materiais postados, caso não os conheça ou queira revê-los. Sua passagem por este espaço é sempre bem-vinda. Volte quando quiser e fique à vontade.

Anúncios

Read Full Post »

Agora, é sair para distribuir…

Read Full Post »

O Quatro ainda não veio da gráfica, mas tudo indica que já-já ele “nasce”…

Read Full Post »

A edição 6 do Quatro está quase, quase pronta…

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »

Guilherme Teixeira

Como fazer para entrar numa sexshop? Para um homem, chegar num lugar recheado de pintos e fotos pornográficas pode ser constrangedor. Entrevistar um atendente que falará o funcionamento dos artefatos também não é uma situação agradável. Então, o que fazer? Simples. Vá acompanhado! E de preferência de mulheres. A presença feminina diminui um pouco o receio e faz com que a vergonha suma gradativamente, mas de forma lenta, bem lenta.

Mas não se engane! Mesmo com a companhia da fotógrafa Marina Lisboa e da repórter Juliana Ferreira, a situação não é tão confortável assim. Ao entrar no ambiente, o excesso de objetos fálicos e de fotos de pessoas nuas impede qualquer chance de naturalidade. Fazer uma entrevista normal é mais difícil, tanto que elas tiveram que engatar as primeiras perguntas para que a explicação começasse.

E não pense que o olhar é o único sentido afetado lá. O odor característico da loja e a música também não colaboram. O cheiro e o som de sexo atingem os nossos sentidos fortemente, até mais que a visão. Esqueci do tato? Doce ilusão! Pelo menos dessa eu escapei. As amigas ajudaram bastante nesse caso, quando a vendedora pediu para conferir textura do vibrador da linha Cyber Skin. De acordo com elas, é igual realmente. Faltou o paladar? Sim, ele existe. Calma! Ele se resume principalmente a materiais eróticos comestíveis, como calcinhas, chocolates com formas eróticas. Apesar dessas variedades, minhas papilas gustativas não chegaram a sentir o sabor da sexshop.

O mais estranho do estabelecimento não são os artefatos eróticos, porque, com o tempo, as pessoas se acostumam com eles – isso não quer dizer que ficam à vontade. O diferente mesmo são as histórias. Segundo a gerente, várias pessoas vêm pedir dicas sexuais ali na loja. Até aí tudo certo. Mas a exposição de vídeos de zoofilia na “locadora” do estabelecimento não é nada agradável. Para piorar, os principais consumidores desses tipos de filmes são velhinhos. Sem preconceitos.

Read Full Post »

Thiago Moreno

O desafio era produzir uma reportagem sobre comportamentos sexuais diferentes. Legal! Boa pauta, muito boa mesmo. Não tinha como não se divertir tentando entrevistar sadomasoquistas, zoofilistas e voyeuristas (só para citar os mais leves que pensei). E eu estava certo, foi uma das melhores matérias para apurar até essa metade da graduação. O envolvimento com os personagens aconteceu muito de repente e foi muito forte. Quando percebi, já tinha liberdade o suficiente para perguntar a um assexual se ele queria ter filhos ou se era virgem.

Essa fonte, aliás, me causou problemas logo na partida. Eu o contatei através de uma comunidade, dessas de redes sociais, na maior cara de pau: “Será que alguém aí se interessa em dar uma entrevista?”. Ele foi o único a responder. O problema é que queria ver a matéria antes de publicada, um dos maiores clichês éticos e, ao mesmo tempo, uma bela cilada para um jornalista. Eu, de minha parte, não queria perdê-lo, mas ainda assim não ia quebrar as regras básicas da minha futura profissão. Não se enviam textos para ninguém se o jornal ainda não saiu. A melhor solução era explicar e esperar sua resposta. Que fosse positiva, por favor. Ele aceitou.

Me tratou bem, respeitosa e amigavelmente e eu tentei corresponder ao máximo, assim como fiz com o praticante de D/S. E eles me fizeram pensar e repensar vários conceitos meus. Minha ideia de liberdade foi o principal. Conversar com a antropóloga que corroborou com as ideias só mexeu ainda mais comigo.

Quando finalmente consegui uma psicóloga que me falasse sobre o assunto, o sonho começou a desmoronar. Ela foi contra tudo que tinham me dito até ali e, principalmente, contra o que eu acreditava. E a cada comportamento novo que classificava como desvio eu ia me arrependendo um pouco mais de entrevistá-la, porque eu sabia que aquilo tudo teria que entrar na matéria. Eu tentei insistir, deixar claro meu contraponto, mas a mulher era inflexível. Sua ideologia era muito forte. No fim, acabei dando mais espaço para ela dentro do meu texto do que para as fontes com as quais eu concordava. O jornalismo tem desses paradoxos.

Agora, com o trabalho terminado, fico pensando no quanto eu me diverti com as experiências estranhas que vivi nessas semanas. É, acho que tem coisas que só sendo repórter para entender.

Read Full Post »

Willian Reis

“Não sou a pessoa que você está procurando!”. Não, não tinha errado o endereço. Pelo contrário, tinha chegado até com certa antecedência, o que é raro no meu caso. Era uma tarde ensolarada de quarta-feira, e lá fui eu, com mochila nas costas e um pretenso mapa nas mãos, à procura do prédio onde fica a Associação em Defesa dos Direitos Humanos (Adeh), de Florianópolis.

Apertei a campainha e, do outro lado, quem me recebeu foi a própria coordenadora, Kelly Vieira. Pediu pra eu esperar alguns minutos, pois atendia, naquele momento, três transexuais, se não me engano (que eram transexuais, eu tenho certeza, minha dúvida é em quantas estavam).

Havia marcado a entrevista com antecedência, o que me permitiu ignorar o imponderável e começar a imaginar como seria, a sonhar com declarações bombásticas num papo que se arrastaria por toda a tarde. A torcida pelo sucesso daquela apuração aumentou após eu ter entrevistado um frei na manhã da mesma quarta-feira. Sem agendar nada, o religioso me atendeu e conversamos longamente. Era, pra mim, um sinal de que o dia iria render.

Pra começo de conversa (é assim que encaro uma entrevista), expliquei a Kelly do que se tratava a pauta e, já de saída, perguntei como era a vida dela antes de assumir a identidade feminina. Ela, que não faz o tipo de transexual ou travesti a que estamos acostumados, ou seja, bem-humorado e extravagante, se alterou. Pensei até que desistiria da entrevista.

“Não falo, de jeito algum, da minha sexualidade”, declarou. Tentei convencê-la, apresentei todos os argumentos que me vieram, e nada. Perguntei então se teria alguma fonte pra me indicar. Ela me disse que não, que eu dificilmente encontraria. Foi quando decidi mudar o foco da entrevista. Se ela não queria falar do passado, procurei saber por quê. E aí a conversa deslanchou.

Fiz algumas perguntas sobre a Adeh, que era o que agradava a Kelly, pra mais à frente voltar a perguntar sobre a própria. Consegui algumas poucas informações sobre sua vida. Soube que cursou dois semestres de Enfermagem, mas desistiu. Foi quando meu olho brilhou. Pensei estar diante da tão sonhada declaração bombástica. Acreditei que ela ia dizer ter sido vítima de preconceito, ter sido vaiada pelos colegas no melhor estilo Geyse Arruda. Sei lá, qualquer coisa assim. “Achei o curso uma palhaçada”, foi o que me respondeu.

Aliás, “palhaçada” é uma palavra recorrente no seu vocabulário. Muito do que a academia produz sobre sexualidade seria “palhaçada”. Os debates sobre questões de gênero de que participa na UFSC também seriam “palhaçada”. Só não perguntei se ela achou o mesmo daquela entrevista.

Read Full Post »

Older Posts »